De Olho na MLB: Ediçao #2





02/08/2019

De Olho na MLB: Ediçaõ #2

Três semanas após o início da segunda metade da temporada, voltamos com a coluna que mostra os destaques, decepções e surpresas das últimas semanas do baseball americano, além de atualizarmos o recorde de nosso especialista em baseball, Gustavo Zambrano. 

Nosso Especialista

Gustavo Zambrano

MLB – Temporada Regular 2019

Recorde: 116-106-5 (52%), +7,02und

ODD Média: 2.19

ROI%: +3,0%

ML: 81-80-1 (50%), +1,39und

Totais: 34-24-4 (58%), +6,86und

HC: 1-2 (33%), -1,23und

 

Especiais

Home Run Derby 2019: 1-6 (14%) -4,34und

All-Star Game 2019: 0-2 (0%), -2,00und

Na última coluna eu postei o recorde da temporada até a pausa do All-Star Game e ele era de 81-78-4 (50%), -4,87und, de lá para cá, foram mais 64 dicas de aposta da MLB postadas aqui no site, com recorde: 35-28-1 (55%) e lucro de +11,89und, colocando o recorde geral da temporada em +7,02und unidades de lucro com ROI de 3,0%. A odd média também subiu bastante, já que eu fiz muitas escolhas em underdogs no período, passando de 1.95 naquele último artigo para 2.19. Historicamente, eu costumo me sair melhor no final de julho e no mês de agosto na MLB, já as odds saltam bastante no período e vários valores são deixados pelos oddmakers nos cards. 

O que ocorre nessa época é que com o período de trocas ocorrendo, os melhores times são reforçados e os piores times se tornam ainda mais fracos, o que eu faço então? Bom, eu aposto nos times fracos porque é neles que se encontram os melhores valores. Nesse ponto da temporada, muitos arremessadores com números horríveis até então, fazem ajustes e se tornam pitchers completamente diferentes e por vezes oddmakers os tratam pelos números totais e não pela suas novas versões. Foram várias apostas com odds acima de 2.60 indicadas aqui e ganhas nas últimas semanas, com destaque para uma odd 3.85 dos Colorado Rockies contra os Washington Nationals semana passada.  

Destaques 

Time: Tampa Bay Rays (63-48 W/L) 

Os Rays caíram bastante de produção após um excelente início de temporada e viram os Yankees se isolarem na liderança da AL East, ficando 7,0 jogos atrás do time de New York. Até a vaga no Wild Card tem sido ameaçada, mas a equipe varreu os Boston Red Sox nessa semana, com o time de Boston sendo um dos principais concorrentes dos Rays para uma das vagas no Wild Card. Os Rays venceram seis de seus últimos sete jogos e a procuraram melhorar a equipe durante o período de trocas, trazendo: Eric Sogard e Jesus Aguilar, que combinaram para: 4 hits, 4 corridas e 2 walks na vitória de ontem no jogo #3 da série contra os Red Sox. 

Pitcher: Justin Verlander (RHP, Houston Astros)

Em 2014 e no início de 2015, parecia que Justin Verlander estava acabado, com seus strikeouts estando em baixa, a velocidade caindo e rebatedores conseguindo mais constato contra ele, um declínio natural para um arremessador de 32 anos na época. Verlander no entanto, ressurgiu ainda mais dominante e após postar ERA 2.52 ao longo de 34 começos na última temporada, ele vem com ERA 2.73 em 23 começos esse ano. Verlander tem várias métricas que sugerem um pouco de regressão mas ele também tem um histórico de superar seus periféricos, no que seu ERA atual é bem alinhado com seu nível de talento. Verlander tem limitado hits em uma marca histórica, com apenas 19,9% das bolas que entram em jogo virando hits contra ele, o que faz o arremessador permitir um aproveitamento de apenas .169 para os rebatedores. Verlander vem de sua melhor partida nessa temporada, conseguindo 13 strikeouts, cedendo apenas 2 hits e nenhuma corrida na vitória dos Astros sobre os Indians na última quarta-feira.

O mais curioso, é que a temporada dominante de Verlander tem vindo justamente em um ano em que o arremessador tem tido problemas com home runs, já foram 28 home runs cedidos por ele, com média de 1.66 home runs permitidos a cada 9.0 IP, maior marca de sua carreira. Verlander foi um dos primeiros arremessadores a reclamar publicamente da bola utilizada nessa temporada e em termos de home runs cedidos, também tem sido um dos que mais sofreram com a nova bola.

Rebatedores: José Altuve (2B, R, Houston Astros)

Recuperado de lesão, José Altuve tem sido incrível na segunda metade da temporada, Altuve tem ao menos um hits em 11 de seus últimos 13 jogos, com várias partidas de múltiplas rebatidas no período. Ele vem com 6 home runs e linha de: 413/466/713 (AVG/OBP/SLG) desde o retorno do All-Star Game. Ainda que seu desempenho atual sofra uma regressão, Altuve deve terminar com números melhores do que na última temporada e tem chances de se aproximar dos 24 home runs, sua melhor marca da carreira. 

Surpresas

Time: New York Mets (53-55 W/L)

Com uma temporada praticamente arruinada, a expectativa era de que os Mets trocassem Noah Syndergaard, Zack Wheeler e Edwin Diaz para equipes que ainda estivessem na disputa, recebendo prospects que poderiam ajudar o time futuramente, ao invés disso, eles acertaram uma troca com os Toronto Blue Jays e trouxeram Marcus Stroman, na esperança de que possam ser competitivos em 2020. No entanto, existe a possibilidade de que o time seja competitivo já nessa temporada, os Mets estão 4,0 jogos atrás da zona de classificação para o Wild Card, mas possuem a maior sequência de vitórias ativa na liga, com o time tendo ganho seus últimos sete jogos. A tabela da equipe daqui para frente é uma das mais fáceis dessa reta final da temporada e os Mets não apenas venceram jogos recentemente, como já vinham apresentando melhorias reais desde o retorno do All-Star Game.

O ataque regrediu um pouco após ter começado muito bem a temporada, mas Amed Rosario tem feito uma ótima segunda metade de temporada e Jeff McNeil e Peter Alonso estão tendo um bom ano, o primeiro com aproveitamento de .331 no bastão e o segundo com 34 home runs na temporada. Um desastre na primeira metade da temporada, o bullpen é o setor que mais evoluiu na equipe e os Mets possuem o 3° menor ERA conjunto entre os relievers desde o retorno do All-Star Game. A rotação também tem feito um excelente trabalho recentemente e agora foi fortalecida com a chegada de Marcus Stroman. O que era uma temporada perdida, pode se transformar em uma grande reviravolta para o time de New York. 

Pitcher: Jack Flaherty (RHP, Saint Louis Cardinals)

Após postar um ERA 7.01 ao longo de cinco começos em junho, Flaherty melhorou bastante e chegou ao seu ápice na temporada durante a última semana, dominando dois dos melhores ataques da liga. O arremessador cedeu 2 corridas ao longo de 6.0 IP contra os Astros no dia 26, mas conseguiu 9 strikeouts e teve apenas um walk, seguindo para uma performance ainda melhor contra os Cubs na última quinta-feira, com 9 strikeouts, apenas 1 hit e nenhuma corrida cedida ao longo de 7.0 IP. 

Assim como a maioria dos arremessadores dos Cardinals, Flaherty tem sido melhor atuando em casa, com ERA 2.89 ao longo de 12 começos no Busch Stadium e 5.44 em 10 começos fora. Mas ter atuado em casa, não é o único motivo para Flaherty ter se saído tão bem nos dois últimos jogos. Sua velocidade subiu e o arremessador apresentou um ajuste interessante, subindo o uso de seu slider para mais de 30%.

Rebatedores: Matt Thaiss (1B, L, Los Angeles Angels)

8° melhor prospect no farm system dos Angels, Thaiss é um rebatedor de energia e tem tido um promissor início de carreira. Ele já rebateu 5 home runs em apenas 49 passagens no bastão, apesar de vir com um aproveitamento de apenas .244. Thaiss porém, ainda tem ajustes a fazer se quiser ser um rebatedor de MLB viável a longo prazo, ele vem sofrendo strikeouts em 34,7% de suas passagens no bastão e recebe poucos walks, ele foi ótimo rebatendo bolas rápidas, mas teve um desempenho pífio contra changeups e curveballs e eventualmente os rebatedores irã se ajustar contra ele. 

Decepções 

Time: Pittsburgh Pirates (47-61 W/L)

Os Pirates estão em queda brusca e agora são o último colocado na divisão Central da Liga Nacional. O time vinha de nove derrotas consecutivas até superar os Reds na última terça-feira por 11x4, voltando a perder no jogo #3 da série na quarta-feira. Desde o retorno do All-Star Game, a equipe tem um recorde 3-16 W/L, com a rotação tendo o 4° pior ERA da liga no período e o ataque tendo a 3° pior produção em corridas anotadas. 

Pitcher: Andrew Cashner (RHP, Boston Red Sox)

Cashner conseguiu enganar um pouco nessa temporada quando estava nos Orioles, postando um ERA 1.44 ao longo de quatro começos em junho, o que foi o suficiente para que os Red Sox, desesperados para arrumar a rotação, acertassem uma troca por ele. A regressão que já era provável, ocorreu rapidamente e ele vem com ERA 7.33 ao longo de 4 começos por Boston, sendo incapaz de ajudar a equipe. 

Ontem contra os Rays, Cashner teve sua pior exibição da temporada, cedendo 7 corridas ao longo de 5.2 IP, conseguindo apenas 1 strikeout e cedendo 5 walks. A velocidade Cashner tem sido aceitável, seu changeup tem funcionado bem e o arremessador abandonou seu sinker deficiente, mas todos os ajustes não foram suficientes para que ele gerasse mais strikeouts e seu controle piorou ao longo dos últimos jogos. Parece que não vai demorar muito tempo para eu os Red Sox se arrependam de terem incluído o pitcher no rotação. 

Rebatedor: Josh Bell (1B, S, Pittsburgh Pirates)

Josh Bell ainda tem números muito sólidos na temporada, com 27 home runs e linha de: 283/364/586 (AVG/OBP/SLG), mas ele regrediu muito desde o retorno do All-Star Game e sua baixa produção é um dos motivos do péssimo momento vivido pelos Pirates. Bell não tem nenhum home run na segunda metade da temporada e vem com linha de: 180/296/246 (AVG/OBP/SLG) desde o retorno do All-Star Game. Sua taxa de contato forte caiu de 49,4% para 31,9% no período e Bell tem rebatido um monte de infield flyballs. O jogador era o favorito pra vencer o último Home Run Derby, mas foi eliminado na primeira fase e parece que participar do evento não fez para ele. 

Não se anime com...

Adam Duvall (OF, R, Atlanta Braves)

Após uma temporada fraca em 2018, Duvall passou toda a primeira metade dessa temporada na Triple-A, sendo promovido recentemente devido a lesão de Nick Markakis. Em 26 passagens no bastão apenas, Duvall já tem 7 home runs nessa temporada, mas uma análise mais aprofundada mostra que o rebatedor de 30 anos não tem sido muito diferente do que era nos últimos anos. Duvall sempre bateu muitos home runs, mas nunca mostrou grande evolução nos outros aspectos do jogo, mantendo sempre um baixo aproveitamento no bastão, sofrendo muitos strikeouts e chegando pouco em base. Qualquer rebatedor pode parecer incrível em seis jogos, mas é pouco provável que Duvall tenha se transformado em um rebatedor acima da média e sustente uma boa produção no decorrer da temporada. 

Não se desespere com...

Yonder Alonso (1B, L, Colorado Rockies)

Vindo de duas boas temporadas, Alonso tem sido uma decepção esse ano, com linha de: 191/286/332 (AVG/OBP/SLG). O jogador começou a temporada nos White Sox mas foi dispensado e acabou assinando com os Rockes. Alonso tem rebatido menos flyballs, o que explica sua queda de energia, mas ele tem sido mais paciente no bastão, recebendo walks em 11,5% de suas passagens no bastão, 2° maior marca de sua carreira e seu BABIP .216 é o 11° menor entre os rebatedores ativos e qualificados, suas taxas de contato são semelhantes às das últimas temporadas e é provável que ele melhora na reta final da temporada.
 


Casas de apostas

Bet365

Bônus

R$200

Ganhar
Sportsbet.io

Bônus

Ganhar
Sportingbet

Bônus

Ganhar
Bodog

Bônus

R$200

Ganhar
188BET

Bônus

R$200

Ganhar
NetBet

Bônus

R$200

Ganhar
Dafabet

Bônus

R$600

Ganhar
Betfair

Bônus

$30

Ganhar
Rivalo

Bônus

R$777

Ganhar



Outras Notícias