De Olho na MLB: Edição #11


28/08/2017

Chegando quase ao último mês da temporada regular, voltamos mostrando os destaques, surpresas e decepções do baseball americano. Com tantos jogos, fica fácil para o apostador se perder em meio a tantas informações. Nossa missão aqui é deixar o leitor a par de tudo o que está acontecendo na Major League, para que com isso, ele possa ter uma vantagem contra os books. Também utilizamos esse espaço para mostrar o recorde de nosso especialista em Baseball no Aposta10: Gustavo Zambrano.

Na Liga Nacional, Giancarlo Stanton não para e os Marlins ainda possuem chances de irem para os playoffs. Na Liga Americana segue a disputa acirrada por duas vagas no Wild Card e oito equipes são separadas por uma diferença de apenas 3 jogos, com as oito ainda possuindo chances razoáveis de fazerem os playffs. Nas apostas, nosso recorde melhorou um pouco nessa semana, indo 6-5 e batendo vários underdogs em uma semana com poucas opções de aposta. 

Nosso Especialista

Gustavo Zambrano

Recorde: 166-167-7 (49%), -10,14und
ODD Média: 1.97
ROI%: -3%
ML: 102-99-1 (50%), +5,17und
Totais: 61-64-6 (48%), -14,41und
RL: 3-3 (50%), +0,10und
Total de Equipe: 0-1 (0%), -1,00und

Destaques 

Time: Washington Nationals (78-51 W/L) 

Astros e Dodgers andaram vacilando nos últimos jogos, mas os Nationals seguem fortes, mesmo com a equipe sofrendo com diversas lesões de jogadores importantes. O time vem de vitória sobre os Mets no Sunday Night Baseball e venceu seis de seus últimos dez jogos disputados. Severamente desfalcado, o ataque já não tem sido tão produtivo, mas a defesa evoluiu e o bullpen passou a ser um setor forte na equipe, com Sean Doolittle bastante consistente na função de closer. 

Pitcher: Dinelson Lamet (RHP, San Diego Padres)

O novato dos Padres tem tido um ótimo mês de agosto e rebatedores atingiram apenas .140 contra ele nos últimos trinta dias. Lamet tem um controle deficiente e sendo um flyballer, tende a permitir home runs, mas sua alta taxa de 10.99 strikeouts a cada 9 IP, deve garantir com que ele continue eficiente, mesmo quando os rebatedores conseguirem hits com mais consistência contra ele. 

Rebatedores: Charlie Blackmon (RF R, Colorado Rockies)

Rebatedores dos Rockies tendem a ter uma produção ofensiva acima de seus níveis de talento, devido a altitude da cidade de Denver, mas Blackmon tem feito o suficiente para ser efetivo em qualquer campo. 12 de seus 31 home runs vieram fora de casa e Blackmon nunca havia produzido tanto contato forte quanto nessa temporada, ao mesmo tempo em que o rebatedor se tornou mais qualificado e tem balançado menos em bolas ruins. Leadoff de um time que tende a anotar muitas corridas, Blackmon lidera a liga em runs nessa temporada, com 117 visitas ao home plate.  

Surpresas

Time: Miami Marlins (66-63 W/L)

A temporada fantástica de Giancarlo Stanton, deu novo gás ao time dos Marlins, que já estava virtualmente eliminado dos playoffs.  Stanton lidera a liga com 50 home runs e os Marlins já somam 8 vitórias consecutivas, estando agora a apenas 4,5 jogos da zona de classificação para o Wild Card. A defesa ainda tem sido ótima, o que tem salvo um corpo de arremessadores não tão talentosos, tanto da rotação quanto do bullpen. 

Pitcher: Kenta Maeda (RHP, Los Angeles Dodgers)

Maeda deixou para trás um início de temporada problemático e após um período no bullpen, o jogador retornou como um dos mais fortes membros da rotação dos Dodgers. O arremessador tem utilizado um cutter que era ausente de seu repertorio no último ano e seus strikeouts subiram, com Maeda tendo eliminado por K 30,9% dos rebatedores que enfrentou em seus últimos cinco jogos. 

Rebatedores: Whit Merrifield (2B R, Kansas City Royals)

Segundanista dos Royals, Merrifield sempre foi um ladrão de bases eficiente nas ligas menores, mas tinha estado apagado no quesito durante a última temporada. Agora iniciando o ano no time principal, Merrifield voltou a se mostrar uma ameaça percorrendo as bases, somando 25 roubos no ano e tendo êxito em 92,5% de suas tentativas de roubo. Sua eficiência fez o jogar progredir no lineup e agora ele tem sido utilizado como leadoff do time de Kansas City. 

Decepções 

Time: Detroit Tigers (56-73 W/L)

Os Tigers já não possuem chances reais de playoffs e já se desfizeram de alguns jogadores importantes no período de trocas, mas com Justin Verlander voltando a arremessar em um nível de ace, era esperado que o time pudesse mostrar alguma melhora nessa reta final da temporada. No entanto, o restante da rotação tem sido horrível, com Matt Boyd, Jordan Zimmermann e Michael Fulmer postando ERAs acima de 5.00 no último mês e combinando para 9 derrotas no período. No ataque, Miguel Cabrera e Ian Kinsler fazem uma temporada decepcionando e Nick Castellanos não tem tido a evolução esperada. Com um elenco envelhecido e com pouco talento, os Tigers deverão ter problemas por mais alguns anos. 

Pitcher: John Lackey (RHP, Chicago Cubs)

Veterano de 14 temporadas, era natural que em algum ponto Lackey já não fosse tão eficiente. Porém, a diminuição na velocidade de seus arremessos teve efeito devastador e tornou Lackey extremamente propicio a permitir home runs. De fato nessa temporada, nenhum arremessador foi mais atingido por home runs do que o pitcher dos Chicago Cubs, que já permitiu 32 bolas cruzarem as cercas, média de 2.04 home runs sofridos a cada 9 IP, o que inflou seu ERA para 4.98 após Lackey ter postado ERA inferior a 4.00 nas últimas quatro temporadas. 

Rebatedor: Ryan Braun (LF R Milwaukee Brewers)

Ainda um rebatedor acima da média, Braun tem tido sua pior temporada na MLB e foi especialmente ruim recentemente, chegando em base em apenas 15% de suas últimas 40 aparições no bastão. Sua taxa de energia ainda é decente, mas o jogador tem tido um pouco de azar nas bolas rebatias, com apenas 17,6% das flyballs rebatidas por ele virando home runs nessa temporada. 

Não se anime com...

Byron Buxton (CF R, Minnesota Twins)

Buxton vive uma fase quente e atingiu 7 home runs em suas últimas 59 passagens no bastão, tendo aproveitamento de .339 no período. Potencia porém, não era o principal problema de Buxton e sua baixa taxa de contato tem se mantido mesmo na fase quente. O jogador ainda vai para o swings muitas vezes, sendo que 12,9% deles terminam em swings no vazio e Buxton ainda balança o bastão em bolas fora da zona de strike com consistência. Recebendo poucos walks, é necessário que o rebatedor produza mais contato se quiser ser um jogador consistente no bastão. 

Não se desespere com...

Adam Duvall (LF R, Cincinnati Reds)

A exemplo do ano passado, Duvall tem experimentado uma queda de produção durante a segunda metade da temporada, mas sua baixa produtividade recente pode ser explicada por um azar com bolas em jogo, já que o rebatedor teve um BABIP .206 ao longo de suas últimas 56 passagens no bastão. O jogador ainda atinge a bola com força e sua taxa de contato está estabilizada, no que eventualmente ele deve recuperar sua boa produção. Com 30 home runs no ano, Duvall está a 3HRs de superar sua marca do ano passado, até então a melhor de sua carreira. 
 


Casas de apostas

Bet365

Bônus

R$200

Ganhar
Sportsbet.io

Bônus

R$150

Ganhar
Sportingbet

Bônus

R$120

Ganhar
Betfair

Bônus

$30

Ganhar
188BET

Bônus

R$200

Ganhar
Bodog

Bônus

R$200

Ganhar
NetBet

Bônus

R$200

Ganhar
Rivalo

Bônus

R$777

Ganhar
22BET

Bônus

100%

Ganhar



Outras Notícias