Aposta10 Logo
Pesquisar...
Pesquisar...
Pesquisar...
Pesquisar...
homeBlogMercado de ApostasEm 2024, 49 % dos apostadores no Brasil aumentaram a quantidade de apostas; confira pesquisa

Em 2024, 49 % dos apostadores no Brasil aumentaram a quantidade de apostas; confira pesquisa

Josias Pereira Josias Pereira
Em 2024, 49 % dos apostadores no Brasil aumentaram a quantidade de apostas; confira pesquisa
whatsappwhatsappwhatsapp
Betano logo light
divider
9.6Nossa Avaliaçãoupper right icon

Com bônus muito atraente para novos clientes, a Betano é uma ótima escolha para quem gosta de apostar e participar de novas promoções semanais.

whatsappwhatsappwhatsapp

O brasileiro está, a cada dia mais, entrando de vez no mercado de apostas esportivas. Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), em parceria com a AGP Pesquisas, indicou que 38 % dos brasileiros entrevistados confirmaram já ter realizado apostas esportivas online. De acordo com o estudo, 49 % afirmaram que aumentaram a quantidade de apostas realizadas no ano de 2024.

Ainda, de acordo com o estudo, intitulado "O efeito das apostas esportivas no varejo brasileiro", apenas 35 % dos entrevistados disseram ter diminuído a quantidade de apostas em relação ao ano de 2023. Considerando quem aposta regularmente, a pesquisa identificou que a casa de apostas mais citada pelos entrevistados foi a Betano.

A pesquisa destacou também que a maioria dos apostadores é do sexo masculino, com 58 % do total. Com relação à faixa etária, pessoas entre 25 a 34 anos são os que mais realizam apostas online, com 29 % to total. Em seguida, aparecem os públicos de 35 a 44 anos, com 22 % do total de apostas. 64 % dos entrevistados afirmaram usar a renda principal nas apostas, enquanto 63 % dos ouvidos disseram que já tiveram a renda comprometida pela apostas

A região Sudeste do país lidera o número de apostas, com metade dos apostadores do país (50%). Em seguida, aparecem as regiões Nordeste (20 %), Sul (17 %), Norte (8 %) e Centro-Oeste (5 %). Além disso, a pesquisa apontou que, no Brasil, a classe C é a que a mais aposta, com 54 % dos entrevistados, enquanto a classe B aparece na segunda posição, com 33 % do total. Ainda, 23 % dos entrevistados afirmaram que deixaram de comprar roupas para apostar, enquanto 19 % deixaram de fazer compras no supermercado, 14 % de comprar itens de higiene e beleza, e 11 % de realizar cuidados com saúde e medicações, em detrimento das apostas. 

A pesquisa também apontou que, entre as pessoas que nunca apostaram, os principais motivos são: falta de interesse em apostas (25 %), falta de confiança nas plataformas da operadoras (25 %), desconhecimento das regras e do funcionamento das apostas esportivas (24 %) e preocupações com o vício em jogos de azar (23 %).

Ainda, para os que não apostam, de acordo com a pesquisa, 36 % afirmaram que a transparência total sobre as políticas de segurança os fariam começar a apostar. Além disso, 30 % disseram que apostariam se a plataforma de apostas fosse de fácil utilização, com layout e funcionalidade claras.

O futebol aparece como o esporte com a maior concentração de apostas (77 %). Em seguida, o que mais faz os usuários permanecerem online nas plataformas de apostas e jogos online, são: slots (50 %), cassino ao vivo/cartas/pôquer/blackjack (25 %), basquete (21 %) e vôlei (20 %).

O estudo "O efeito das apostas esportivas no varejo brasileiro" ouviu 1.337 pessoas de forma online, entre 22 de abril e 3 de maio de 2024, e pode ser acessada, na íntegra, aqui.

(Foto: Monstera Production/Pexels)