Aposta10 Logo
Como Apostar
Paty

Paty Fagundes

Gestão de banca para apostas esportivas

Gestão de banca para apostas esportivas

Odds em destaque

e saiba como ser um apostador especialista

Hebei FC

35.00

1

versus

11.75

x

Dalian Professional FC

1.05

2

Se você pretende ter sucesso nas apostas esportivas, seguir uma boa gestão de banca é o caminho que te levará a isso. Sem ela, apostar pode se tornar uma tarefa complicada, até porque é necessário gerenciar os riscos dos investimentos. Sem o uso da gestão, o apostador poderá perder muito dinheiro.

Quanto colocar em uma aposta? Qual o momento ideal para aumentar ou diminuir o valor da stake? E a hora certa de sacar ou fazer um aporte na banca?

Aqui vamos explicar tudo que você precisa fazer para aplicar uma boa gestão de banca, também chamada de bankroll. Também vamos te apresentar uma ferramenta muito importante, que é a planilha de gestão de banca. Ela será a sua aliada nas apostas daqui em diante.

Primeiro passo da gestão de banca eficiente

Primeiramente, é preciso depositar na sua conta para sua banca ter saldo. Já sabe em qual casa de apostas depositar? Se procura quem aceita baixos valores como depósito mínimo, leia nosso artigo sobre casas de apostas com depósito mínimo de R$ 15.

Você deve começar dividindo o valor da sua carteira em partes iguais, para facilitar o controle e a administração do quanto investe nas apostas. Mas qual o meio termo ideal para termos segurança para aguentar uma má fase e ao mesmo tempo potencializar o nosso lucro? Seriam 10 partes? Seriam 50 ou 100 partes? Ou 500 ou 1000 partes?

Como fazer uma boa gestão de banca?

Para definirmos em quantas partes precisamos dividir o nosso dinheiro, precisamos calcular as possíveis más fases que poderemos enfrentar. Segundo nossas pesquisas, os melhores apostadores do mundo, que possuem um bom volume de apostas mensais, buscam apostar em odds médias de 1.91 (-110) e acertam aproximadamente 55% dos seus palpites.

Ir com muita sede ao pote quase sempre acabará mal

Se fossemos comparar com o pôquer, seria como apostar $52.38 num pot de $100 e ganharmos 55% das vezes. Isso reflete um retorno próximo a 5% por cada aposta feita.

Ou seja, um retorno pequeno e que pode gerar uma má fase sinistra. Assim, nosso gerenciamento de bankroll deve ser robusto, porque, senão, a chance de quebrar será consideravelmente grande.

Um mínimo aceitável seria dividir o dinheiro em 200 partes e ajustar o valor diariamente. Uma estratégia mais adequada é dividir o dinheiro em mais partes e manter o valor de cada parte constante por mais tempo. Há profissionais que usam 350, outros 500 e já alguns até 1000 partes.

Todas as pessoas pensam que o ponto mais importante de um apostador é encontrar apostas que sejam lucrativas no longo prazo. Ou seja, encontrar um jogo onde as odds estejam erradas onde supervalorizam demais um time ou desvalorizam demais outro time. Mas, definitivamente, esse não é o principal ponto.

As odds das casas de apostas são feitas por humanos e humanos erram, invariavelmente. Assim as casas de apostas não esperam ganhar dinheiro fazendo linhas perfeitas. Além do rake embutido nas odds, as casas esperam ganhar dinheiro com a falta de controle de bankroll dos seus clientes.

As casas acreditam que as pessoas são indisciplinadas. E sempre vão apostar com uma má gestão de bankroll. Seja por falta de conhecimento matemático, seja por descontrole emocional. Então, fique atento, pois, senão, invariavelmente você vai quebrar.

Assim, quando trabalhamos com apostas esportivas, além de achar apostas lucrativas no longo prazo, nós também devemos cuidar de nosso bankroll. Caso a sua intenção seja ser lucrativo no longo prazo, de nada adianta fazer um e não fazer o outro.

  • Como ganhar dinheiro apostando online em futebol

O que são unidades (stakes) nas apostas esportivas

Antes de partir para os métodos de gestão de banca, vamos esclarecer um conceito bem comum no cenário das apostas: as famosas unidades, também conhecidas pelo termo stake.

O verbo stake vem do inglês e significa basicamente limitar. Ou seja, definir o limite de cada aposta.

É muito comum você ouvir que o apostador investiu uma unidade em determinada aposta. Isso significa que ele investiu uma parte da banca dele que ele definiu como unidade. 

Vamos para um exemplo real: o Dezão, que aparece ao lado, possui uma banca de R$1.000. Ele já entendeu que uma gestão de 50 unidades está dentro de um modelo saudável para sua banca, e assim o fez: dividiu ela em 50 partes iguais. No fim das contas, cada unidade da banca do Dezão vale R$20.

Qual é o melhor modelo de gestão de bancas nas apostas esportivas

A gestão de banca é mais simples do que parece. É basicamente uma regra do que fazer e quando fazer, mas muita gente se perde por pura teimosia e pela dificuldade que a maioria tem em seguir regras. Em muitos casos, os apostadores são levados pela emoção e, por consequência, acabam fugindo da gestão que deveriam seguir.

Outro fator, que contribui para complicar a cabeça do novato, é que existem várias formas de gerir uma banca, o que traz uma certa dúvida para os apostadores iniciantes. Por isso, vamos explicar as principais formas de gestão de banca que são utilizadas pelos apostadores. 

Martingale

O método Martingale consiste em sempre que você apostar e perder, na próxima aposta você dobra o valor apostado. Por exemplo:

  • Dezão apostou R$10 em uma odds de 2.00 e perdeu o seu investimento. Na aposta seguinte ele colocou R$20 em odds 2.00, dobrando a aposta. Se perder essa segunda, colocará R$40 na próxima (se forem odds 2.00 - caso seja abaixo, o valor é mais alto e, caso seja acima de 2.00, o valor é menor). Ou seja, ele dobra o investimento para cobrir o prejuízo e ainda ter lucro. 

Esse tipo de aposta não é muito utilizada pelos apostadores, mas enche os olhos dos iniciantes. Principalmente por causa desse foco em recuperar o red na próxima aposta.

Isso é um prato cheio para quem não sabe lidar com a perda. A parte chata disso tudo é que o Martingale (assim como o desespero para cobrir o prejuízo) não é tão recomendado assim, e você vai descobrir o motivo. 

Se você pretende ser apostador esportivo, tem que entender que o red é natural. Ele está presente na vida do apostador e você não lida com ele recuperando na próxima aposta. Você lida com ele acertando mais do que errando, em odds que tenham valor no longo prazo, e de forma natural, sem forçar a barra, pois isso pode te levar ainda mais para baixo. 

O Martingale é perigoso porque com uma sequência de reds sua banca pode ser quebrada com facilidade. Veja um exemplo com uma pequena banca de R$100, considerando odds de 2.00 a cada entrada, apenas dobrando o valor da stake (unidade da banca). 

Banca - R$ 100,00 

Note que, para realizar a quinta aposta, o apostador já não teria mais saldo suficiente para cobrir e ter lucro no método de Martingale (que demandaria uma aposta de R$ 64,00). Ou então teria que optar por odds mais altas e apostar apenas os seus R$40 ainda disponíveis na banca (montante). 

Esse é um exemplo de uma banca pequena. Com montantes maiores, um problema que pode aparecer é o valor da aposta não ser aceito ou ser correspondido. Apostas de 2 mil reais, por exemplo, nem sempre são aceitas em todos os campeonatos e o apostador pode ficar impossibilitado de realizar apostas. São motivos práticos de o Martingale não ser recomendado por muitos apostadores e nem mesmo por nós aqui do aposta10.

Stake fixa

A stake fixa consiste em definir um valor exato para colocar em todas as apostas. Vamos definir, por exemplo, que em uma banca de R$100 irei destinar 2% para cada aposta. Ou seja, minha stake fixa será sempre de R$2 para cada investimento feito. É um método simples, que facilita muito para os apostadores iniciantes pelo fato de sempre colocar o mesmo valor em cada aposta.

Talvez muita gente se identifique com essa gestão pelo fato de não saber quando apostar um pouco mais e quando apostar um pouco menos. Muita gente quebra a cabeça nisso e a stake fixa acaba sendo uma mão na roda. 

O problema aqui é quando a banca sofre um movimento brusco, quando ela cai ou sobe muito. É importante definir em qual momento você fará um ajuste da stake (unidade de aposta) para a realidade atual da banca para que você corra menos risco de quebrar. Ou seja, mesmo utilizando a stake fixa, é preciso definir quando você irá recalcular sua banca

Digamos que sua banca de R$100 rapidamente chega a R$200. Continuar apostando com aqueles 2% fixos (R$2) ou aumentar um pouco a stake para a realidade atual? Sempre existe essa dúvida, e por isso é importante ter definido o momento do ajuste. Logo em seguida falaremos um pouco mais sobre o momento certo de se fazer isso.

Stake variável

O método de stake variável consiste em apostar valores maiores em algumas situações e valores menores em outras. É a gestão mais utilizada entre os apostadores, pois é possível aproveitar situações de mais valor encontradas em alguns jogos específicos. E quando houver um risco iminente em algum investimento, pode-se colocar um valor menor. 

Muitos apostadores investem por puro achismo, sem fazer uma boa análise de jogo e muito menos precificam os eventos para realizar as apostas. Por isso sentem dificuldade para entender onde existe mais valor para apostar mais alto.

Alguns se sentem muito autoconfiantes, mas quando perdem essas apostas com valores mais elevados, sofrem muito emocionalmente. Essa relação de aposta alta em um jogo e aposta baixa em outro pode trazer mais um problema, que está relacionado com a taxa de acerto. O apostador pode ter vários ganhos com stake baixa e muitas perdas com stake alta, fazendo com que, no final do mês, mesmo tendo uma boa taxa de acerto no geral, feche o período no prejuízo

Nesse mesmo modelo de stake variável, também existe a gestão de banca que sempre calcula as unidades a partir do valor exato da banca no momento da aposta.

Se o valor da banca é de R$100 e você define que vai trabalhar com a stake de 2% em todos os jogos, isso quer dizer que no primeiro jogo você vai apostar R$2. Mas na aposta seguinte a stake já irá mudar, pois será recalculada de acordo com o valor que você ganhou ou perdeu. 

Esse tipo de gestão potencializa as fases boas do apostador, mas por outro lado sempre requer recálculo e pode não ser tão fácil de avaliar os números com as stakes mudando o tempo todo.

Como dividir a minha banca para apostar

Conhecendo melhor os principais tipos de gestão de banca utilizados entre os apostadores, chegou a hora de avaliar os pontos positivos e negativos de cada um. 

A gestão de banca é tipo uma receita de bolo: é uma coisa simples, que você define como vai fazer e segue à risca. Mas isso também está totalmente ligado ao emocional do apostador que pode ser alterado de acordo com níveis de confiança e insegurança. Um apostador sem gestão corre muito perigo de quebrar a banca. E geralmente após quebrar, coloca a culpa nas equipes, jogadores, árbitros e até nas casas de apostas. Mas esquecem de olhar para si mesmo e identificar o erro, que na maioria das vezes é simplesmente emocional e falta de gestão de banca.

A escolha da gestão ideal facilita todo o processo. Por isso esse aspecto torna-se algo de fundamental importância para o apostador. Nossa gestão recomendada é a de stake fixa. Ela permite que você coloque o mesmo valor em todos os jogos - ou ainda divida a sua unidade - e assim evita enfrentar os problemas causados pela gestão variável, não sendo necessário o recálculo da banca a cada aposta feita. 

Quando aumentar ou diminuir as unidades da minha banca

Essa é uma dúvida frequente dos apostadores esportivos. Quando aumentar ou diminuir a stake? 

Aumentar ou diminuir a stake apostada é uma ação muito mais delicada do que a maioria acha. Isso pode ser feito de forma errada, ou num período que não seja favorável. Se isso acontece, ao invés de favorecer o apostador, pode atrapalhar ainda mais o desempenho das apostas realizadas. 

Imagine só: aumentar o valor da banca e pegar uma sequência ruim logo em seguida? Não seria um cenário dos mais bacanas.

Nossa sugestão é que você utilize uma gestão de banca de pelo menos aproximadamente 50 unidades e recalcule a sua banca sempre que você reduzir o seu montante em 30% ou se aumentar 50%. Note que estamos sendo mais calculistas para a parte de queda, pois estamos trabalhando com o emocional também. Para os ganhos, é melhor que a banca cresça mais e aí sim, aumentamos o valor das unidades. Mas preste atenção: não estamos mudando a quantidade de unidades. Estamos apenas fazendo o recálculo do valor de cada unidade.

Procure fazer saques da sua banca somente depois de 3 meses em diante de apostas. Fazendo assim, você permite que o tempo trabalhe a seu favor e consegue escapar com mais facilidades das variâncias. Lembrando que quanto mais tempo você apostar sem sacar, melhor. Pois aí o longo prazo fará seu trabalho de verdade. 

Evite fazer aportes todos os meses na sua banca. Aportes, para quem não sabe, é depositar para encher a banca. Ou seja, aumentar o valor dela, que consequentemente aumentará a stake. Aportes também são delicados, e variâncias negativas no meio deles podem fazer com que o apostador perca um valor considerável da banca. Quanto menos aporte fizer em períodos curtos, menos chance de pegar grandes variâncias. 

Se puder, use sempre como base esse período de 3 meses para fazer mudanças na sua banca, principalmente se for aumentar o valor da stake. Se sua banca começar a cair, talvez seja necessário fazer um ajuste antes de atingir esses 3 meses. Existem períodos que podem ser cruéis para os apostadores, como por exemplo um ou dois meses muito ruins.

Planilha de gestão de banca para apostadores

Recomendamos que você adote uma planilha de gestão de banca, que irá te auxiliar bastante na hora de controlar a sua banca. Temos a plena certeza de que uma planilha bem organizada e bem utilizada, aliada à estratégia de um apostador em longo prazo, funcionará muito bem e trará muito lucro nas suas apostas.

Casas com maiores bônus de apostas 

Você pode usar os bônus oferecidos pelas casas de apostas para iniciar a sua banca e seguir nosso modelo de gestão. Confira as casas com maiores bônus segundo o aposta10!


Dúvidas frequentes

O que são unidades na gestão de banca?
Cada unidade representa uma parte da sua banca. Se você falar que vai dividir sua banca de R$100 em 100 partes, fará a divisão de 100 unidades de R$1.

Martingale em odds baixas funciona?
Na planilha de Excel e nas calculadoras, o Martingale pode parecer maravilhoso. Mas na vida real as coisas não são bem assim. O Martingale é o método mais fácil para você quebrar a sua banca bem rápido.

Como fazer a gestão de uma banca de R$100?
Embora seja uma banca pequena, você precisa pensar em manter uma boa gestão para quando tiver valores mais elevados. Caso não tenha medo de perder essa banca por ser pequena, sugerimos uma divisão mais "agressiva". Por exemplo: 20 unidades de R$5.


Leia também